Paulo Gustavo: trinta dias sem você.

Por Lis Maia

04/06/2021

Paulo Gustavo: trinta dias sem você.

“Amar é ação, amar é arte. Muito amor, gente. Até logo…”

Paulo Gustavo vestido de DOna Hermínia

“Ai gente… Tanta coisa que eu queria dizer para vocês antes de ir embora, eu vou tentar, tá? Olha… Primeiro vamos combinar que esse ano serviu para mostrar que a gente não vive sem a graça, sem humor. O humor ele salva, ele transforma, alivia, cura, traz esperança pra vida da gente.

Essa pandemia também deixou bem clara a importância total da arte nas nossas vidas, vocês viram né? Esse ano foi difícil? Foi. E foram as artes dramáticas, a música, o cinema, a dança, enfim, a cultura em geral que nos ajudaram a seguir em frente tornando tudo um pouquinho mais leve.

Eu fico muito feliz e orgulhoso de ser artista e mais ainda da comédia ser tão forte em mim. Eu faço palhaçada, você ri, eu fico com o coração preenchido aqui. Eu me sinto assim… realizado de estar conseguindo te fazer feliz!

Rir é um ato de resistência. A gente agora está precisando dessa máscara chata pra proteger o rosto desse vírus, e, infelizmente, essa máscara ela esconde algo muito precioso para nós brasileiros: o sorriso.

Ele tá tampado, tem que ficar tampado, mas ele existe. E ele não vai deixar de existir, a gente não vai deixar de sorrir, não vai deixar de ter esperança. Bom, um Ano Novo vem aí, com novos desafios, mas com a promessa da gente poder sair na rua de novo.

Eu tô louco pra voltar ao teatro, voltar a viajar o Brasil, encontrar vocês. Enquanto isso não rola, vamos todos nos cuidar, cuidar da família, dos amigos, dos vizinhos, dos próximos, dos distantes, de todo mundo.

Que enquanto essa vacina tão esperada não chega pra todo mundo, é bom lembrar que, contra o preconceito, a intolerância, a mentira, a tristeza, já existe vacina: é o afeto, é o amor.

Então diga o quanto você ama a quem você ama. Mas não fica só na declaração não, gente. Ame na prática, na ação. Amar é ação, amar é arte. Muito amor, gente. Até logo”. (Paulo Gustavo – Dez/2020).

Cena de Minha Mãe é Uma Peça 3

E quis o destino que esse “até logo” ficasse apenas nas palavras do Paulo, no vídeo do seu especial de final de ano na Rede Globo, como uma emocionante despedida… Há um mês o Brasil ficava órfão de “Dona Hermínia”. Há um mês eu perdia um colega de trabalho, um companheiro de luta, um referencial de vida.

Conheci Paulo Gustavo em 2006, no Teatro Cândido Mendes no Rio de Janeiro, onde ele estreava “Minha Mãe é uma Peça”. Ali me apaixonei pelo seu trabalho, pela sua inteligência, pelo seu humor! Ali tive a honra de assistir o nascimento de um grande humorista, uma grande estrela! Quantas vezes via o Paulo caminhando para cima e para baixo, incansável, no calçadão da praia, panfletando e chamando as pessoas para assistir sua peça. E quando a pessoa entrava para assistir, era impossível não rir naquele teatro. IMPOSSÍVEL! A partir dali a história a gente conhece: Dona Hermínia virou um fenômeno, era um pedacinho da “mãe” de todos os brasileiros. Dali pra frente, acho que assisti a peça mais umas 08 vezes. O melhor dia foi quando eu pude levar a minha mãe (que não mora no Rio) para assistir e conhecê-lo. Foi lindo! Nunca vi ela rir tanto…

Paulo Gustavo caracterizado de Dona Hermínia

Depois, em 2009, tive a boa sorte de estar em cartaz no mesmo teatro que ele, no Teatro dos Grandes Atores (Barra da Tijuca – RJ). Esse teatro possui 02 (duas) salas. Eu fazia parte do elenco da peça “Dona Flor e seus Dois Maridos” e nossa peça começava 30 min antes da dele. Podem imaginar que foi uma temporada muito animada… Paulo, sempre que podia, aparecia no palco durante o nosso aquecimento corporal e vocal. Daí ficava impossível se concentrar, né… Algumas vezes “sambou” de Dona Hermínia com a gente, pois a nossa peça começava com um grande carnaval no foyer do teatro. Ele chegou até a entrar pela plateia com o elenco! O público passava mal de rir, aplaudia muito. O Paulo é único…

“Paulo Gustavo nunca deixou a vida para depois… Ele tinha pressa em viver. Nada era para amanhã. Ele era o hoje! Ele era o agora! ” (Mônica Martelli).

Então o Paulo, que sempre nos fez rir, pregou essa peça sem graça nos fazendo chorar (e muito!) no último 04 de maio desse ano. E pasmem! Mesmo dia e quase no mesmo horário em que ele estreou em 2006 o seu grande sucesso. Quis o destino deixar o roteiro da vida dele bem amarrado e até nesse detalhe se atentou. O Paulo é surpreendente…

“Paulo Gustavo partiu no momento máximo de sua realização como ator, artista, como um sagrado provocador, como um ser aglutinador, um criador, um libertário. Sim, Paulo Gustavo rir é um ato de resistência. Com sua ausência, o nosso mundo cultural/teatral ficou ainda mais pobre, nesse momento trágico que vivemos. Você é e será sempre um referencial deslumbrante como ser humano”. (Fernanda Montenegro).

3 fotos de Paulo Gustavo caracterizado como personagens femininas

Paulo era sinônimo de sucesso! Um ciclo se fecha. Toda uma geração de artistas e humoristas perderam a sua referência no “fazer rir”. Sinto como se estivéssemos pausados, parados, inertes, suspensos… tentando ainda entender e compreender essa “ausência”.

No teatro, Paulo levou mais de 3 milhões de espectadores para ver Dona Hermínia. Nos cinemas ele foi campeão de bilheteria! “Minha Mãe é uma Peça” e “Minha Mãe é uma Peça 2” levaram ao cinema 15 milhões de espectadores, e o último filme da trilogia, 12 milhões de espectadores!!! “Minha Mãe é uma Peça 3” teve a maior arrecadação da história do cinema nacional: foram R$182 milhões de bilheteria ao todo! O Paulo é gigante…

“Paulo, você é uma luz no mundo. Luz intensa, afetuosa e alegre. A sua alegria trouxe saúde pra muitas vidas. Obrigado. Lembro de quando te conheci, há muitos anos, no teatro. Fazíamos a celebração de 100 apresentações do espetáculo Surto. Você, fazendo sua mãe, e eu Priscila, que acabou virando sua filha naquela noite. Ao sair do palco perguntei de onde você era e sua resposta cheia de orgulho foi: Sou de Niterói! Segui e disse: Que personagem maravilhosa! Sua resposta foi: É a minha mãe, ela é uma figura! Eu encerrei dizendo: Eu assistiria um espetáculo inteiro com ela!!! Dá uma peça! E de forma certeira você disse: Eu um dia ainda vou fazer uma peça com ela e vai ser grande. Você tinha razão. Você é gigante. Sentiremos sua falta. Mais uma perda irreparável dessa pandemia”. (Lázaro Ramos).

Paulo Gustavo com sua mãe

Paulo Gustavo foi de uma genialidade ímpar! Conseguiu pegar uma vida comum e transformar num personagem quase que universal. Dona Hermínia, era feita de célula tronco de todas as mães. Seu humor era ingênuo e tipicamente brasileiro. Acredito que esteja aí a resposta do porquê ele tenha conseguido cativar um público imenso e ao mesmo tempo tão diversificado. Sua genialidade estava muito presente na comunicação também. Paulo defendeu muitas causas, muitas bandeiras e fazia isso simplesmente vivendo a sua vida. Houve muita polêmica quando o seu último filme chegou às telas do cinema. Muito se questionou sobre “não ter beijo gay” em nenhuma cena. A internet pegou fogo. Não se falava em outro assunto. Mas gente, Paulo foi além disso… MUITO ALÉM!!!

Quem assistiu deve lembrar (e com os olhos marejados) da cena onde Dona Hermínia leva o filho vestido de Emília para uma festa e ainda canta para ele a música da boneca: “… para cada história ela tem um plano. Inventa mil ideias, não entra pelo cano. Ah, essa boneca é uma maravilha…”  Querem cena mais forte do que essa? Querem uma mensagem, um empoderamento, um posicionamento, uma defesa de bandeira maior que essa? Paulo era amor e conseguiu em uma única cena mostrar para todas as famílias brasileiras que “contra o preconceito, a intolerância, a mentira, a tristeza, já existe vacina: é o afeto, é o amor. Então diga o quanto você ama a quem você ama. Mas não fica só na declaração não, gente. Ame na prática, na ação. Amar é ação, amar é arte”.  O Paulo é amor…

Dona Hermínia levando o filho para uma festa, fantasiado de Emília.

“Saudades do amor da minha vida! Cada foto ou vídeo que abro, sinto um misto de tristeza, angústia e gratidão por cada minuto que vivemos juntos! Nossos 7 anos foram muito lindos, intensos, cheios de amor e de planos!!! Como eu queria pelo menos mais uns 50 anos juntos… bodas de ouro! Mas a vida me deu esses 7 tão especiais! Foram os meus anos mais felizes! E renderam dois frutos desse amor tão puro e verdadeiro, que vou cuidar pro resto da minha vida! Meu amor por você é eterno, te levarei sempre comigo! Obrigado por tudo!! Que sorte a minha ter sido escolhido por Deus e por você pra receber tanto amor, mesmo que por pouco tempo”. (Thales Bretas)

Thales Bretas e Paulo Gustavo
Thales Bretas e Paulo Gustavo passeando

Paulo Gustavo se realizou não só como profissional, mas também na sua vida pessoal. Formou uma família linda ao lado do seu marido e dos filhos Gael e Romeu; e sempre teve como base sólida a sua própria família: Dona Déa Lúcia, a sua grande musa inspiradora, seu amado pai Júlio e Juliana, sua irmã-companheira-de-todas-as-horas.

Paulo Gustavo e sua mãe Déa Lúcia
Paulo Gustavo e o pai Júlio
Paulo Gustavo e sua irmã Juliana
Paulo Gustavo, Thales Bretas e seus dois filhos

Mesmo após sua triste e prematura partida, sua força e seu exemplo continuam conosco, e a presença do Paulo segue na luta pelo ofício que escolheu trilhar nesse mundo. Tramita no Senado Federal um Projeto de Lei Complementar (PLP) que propõe destinar recursos ao setor cultural e audiovisual. O valor provém de dois fundos de apoio ao setor da cultura e da contrapartida de estados e municípios. Batizada com o nome de Paulo Gustavo, a PLP 73/2021 segue o caminho da Lei 14.017/2020, a Lei Aldir Blanc, que homenageou o compositor também morto num 04 de maio, mas de 2020, vítima também de complicações da COVID-19. O Projeto de Lei Complementar ainda não tem data para ser votado no Senado. O Paulo é luta…

“Não estou bem, mas eu sou capaz de rir. Quando falo dele, eu conto as coisas, eu rio, porque ele detestava quando eu chorava. Então, eu tenho que ter força. Eu estou muito triste. Mas meu filho deixou um exemplo maravilhoso contra o preconceito. Meu filho casou, formou família, foi amado. Eu tenho dois netos maravilhosos. Mas isso porque ele teve uma família que deu amor a ele. Durante um ano, a gente viajando o país até as crianças nascerem, eu terminava o espetáculo falando que a homofobia é crime e que a corrupção mata. Roubar na pandemia é assassinato. Eu chorei com cada mãe, e choro, e vou continuar chorando. Essa luta vai ser minha. Eu vou lutar agora e vou falar o tempo todo. Desculpe meu desabafo, na pandemia, cada morte de um filho eu chorava por essa mãe sem saber que meu filho iria passar por isso”. (Déa Lúcia).

Paulo Gustavo com a mãe Déa Lúcia e os 2 filhos Gael e Romeu.

Escrevi o texto falando do Paulo no presente, pois é o que sinto. Ele segue VIVO nos nossos corações, na nossa memória afetiva, na nossa vida!!! Está sendo muito difícil esses dias após o seu falecimento… ainda mais difíceis. Foi um baque para a classe artística, um baque para os brasileiros, uma dor imensurável para a família. Mas temos que seguir. Devemos seguir. E tentarmos nem que seja um pouquinho… sorrir e rir! Por mais que esteja penoso encontrar esperança e as cores no dia-a-dia, temos que tentar, pois o próprio Paulo disse que “rir é um ato de resistência”.

O Paulo é único…

O Paulo é surpreendente…

O Paulo é gigante…

O Paulo é amor…

O Paulo é luta…

Sigamos com fé! Não deixemos JAMAIS o seu legado se apagar! A prefeitura de Niterói inclusive já contribuiu para isso. No dia 19 de maio, instalou as 46 placas da Rua Ator Paulo Gustavo, no bairro de Icaraí. Uma homenagem para o artista niteroiense, que nasceu e cresceu na cidade.

Vamos rir! Vamos amar!! Vamos viver!!! Vai passar…. Um dia tudo isso VAI PASSAR!!!

“(…) a gente não vai deixar de sorrir, não vai deixar de ter esperança… Muito amor, gente. Até logo”. (Paulo Gustavo).

Foto de Paulo Gustavo aos pés do Cristo Redentor
Placa homenageando o ator Paulo Gustavo

*As fotos dessa matéria estão disponíveis na internet ou no Instagram de algumas pessoas citadas.

*Para maiores informações sobre o Projeto de Lei Complementar, clique:

FOLHA DE SÃO PAULO

É enganoso que Lei Paulo Gustavo tenta liberar R$43 bilhões da Lei Rouanet – PDF

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 73 de 2021 (PLP 73/2021)

*Placas da Rua Ator Paulo Gustavo são instaladas em Niterói:

Rua Ator Paulo Gustavo

Lis Maia

Lis Maia

Entretenimento