Entrevista com Pedro Frandá

Por Charlis Haubert

17/11/2020

Entrevista com  Pedro Frandá

Quem é Pedro Frandá e como funciona o seu trabalho?

Cara, eu sou um cristão inconformado, marido e pai dedicado (talvez haha), e sou estrategista de marca focado em micro e pequenas empresas. Meu trabalho é construir estratégias que vão construir valor para as empresas através da gestão do maior ativo dela que é a sua marca, e por marca aqui eu penso em percepção. O grande desafio sempre é traduzir a identidade da marca, ou seja, quem ela é, em algo tangível e que construa a percepção correta na mente dos consumidores.

Sobre o funcionamento, a metodologia tem basicamente 4 etapas: A Imersão, que é quando eu e minha equipe vamos investigar o mercado, tendências, comportamento, clientes e suas percepções sobre a empresa e tudo o mais que for relevante, além de uma investigação interna também, pra compreender como a empresa se enxerga e quer ser percebida, com diretores e colaboradores.

A Estratégia é a fase onde a gente analisa tudo o que foi colhido na imersão e busca construir um posicionamento único e relevante para essa empresa pra que a marca seja um ativo forte dela.

Expressão que é a fase onde nós colocamos toda a estratégia em prática, desenvolvendo desde os padrões de identidade visual e verbal da marca até as vezes chamar parceiros pra nos ajudar com a identidade arquitetônica, websites e etc.

E por último vem a fase da Gestão, onde a gente desenvolve modelos de manutenção de tudo o que foi desenvolvido durante o processo de estratégia, pra que o empreendedor consiga manter essa estratégia sozinho.

Quando as empresas chegam até você, elas já sabem o que querem ou normalmente você precisa ajudar a elas se encontrarem? 

Quase nunca elas sabem o que querem. E isso é completamente normal. A obrigação de dar o diagnóstico é minha como especialista, não do cliente. Na maioria das vezes eles têm um determinado sintoma e eu dou uma orientação sobre qual a melhor solução e o caminho possível baseado nesses sintomas.

Algumas precisam deixar os diferenciais mais evidentes, outras precisam melhorar a gestão interna, outras querem aumentar o faturamento ou o market share, enfim, os objetivos são variados e pra cada um existe um diagnóstico personalizado. 

Quais são as maiores barreiras para transformar uma empresa em uma marca?

Comprometimento dos donos da empresa. É muito comum a gente desenvolver uma estratégia muito bem pensada e embasada e depois de todo o trabalho de 3, às vezes 6 meses, o clientes pegar tudo aquilo e jogar na gaveta. Marcas fortes não nascem do dia pra noite, é necessário muito trabalho, esforço e comprometimento de todos os envolvidos.

 
Mais do que feita, a marca deve ser mantida com um esforço diário, até onde vai o seu trabalho?

Hoje eu ainda não presto serviços de gestão, ainda estou estruturando essa área, mas como eu disse antes, a gente tem um núcleo de desenvolvimento dentro do projeto pra gerar guias, manuais, métricas de avaliação e tudo o que vai ser necessário pra manter essa gestão funcionando e para a avaliação do que foi projetado também. 

Como gerar valor em um produto? Existe receita pronta?

Não existe receita mágica pra nada. Eu sei que é meio frustrante para a maioria das pessoas, porque a gente sempre quer aquela última estratégia do momento que vai fazer as vendas dispararem, mas isso tudo depende de inúmeros fatores.

Eu poderia dizer aqui que se tu investir em uma embalagem incrível e melhorar a experiência de unboxing do teu produto, isso vai gerar muito valor pra tua marca, mas e se tu vende soluções de energia solar, por exemplo? A abertura da caixa não faz a mínima diferença. Isso é só um exemplo possível. Meu conselho é: Não se prenda às ações, mas sim às estratégias por trás.

Porque o Nubank investe tanto na fluidez do aplicativo? Porque isso é algo primordial pro sucesso da empresa, por outro lado a Apple nem aplicativo tem, por que? Porque não faz sentido dentro da estratégia de negócios e de marca dela. Estratégias são mais importantes do que as ações propriamente ditas.


Pedro, qual a mensagem você deixa para empresas que querem criar marca com valor agregado mas que não tem condições de pagar por um profissional como você?

Primeiro, acompanha todos os meus conteúdos no instagram (@pedrofandra) e o meu podcast que se chama Vertus Podcast (tá no spotify).

Em segundo, analisa com todo o cuidado o que as tuas marcas de referência fazem, não buscando copiar as ações, mas ententendo as estratégias, os porquês dessas ações.

Em terceiro. Estuda! Tem vários livros incríveis por aí que vão te ajudar a construir uma estratégia de marca excelente. Posso citar aqui, o “ZAG” do Marty Neumeier, o “Branding Basics” da Maria Ross e o “The Brand Gap” também do Marty Neumeier. E por último. Vai lá e faz. Tentar e errar faz parte do processo de aprendizagem.

Testa uma coisa, se não der certo, analisa o que fez com que desse errado e conserta isso. Esse ciclo é incrivelmente virtuoso. Mas aos que podem investir em um profissional, faça. Não por só pela capacitação, mas por causa do olhar diferenciado. A gente tá acostumado a olhar para as coisas, ações de marca, embalagens e até o jeito que a marca escreve as legendas no instagram de forma diferente. Acho que é isso!

Muito obrigado pela oportunidade de falar do que meu trabalho pelo qual eu sou apaixonado e espero ter ajudado a todo mundo que tá lendo esse texto agora. Lembrem. Não é preciso ser grande pra ser grandioso.

Charlis Haubert

Charlis Haubert

Música