Cazuza: 07 de julho de 2020 marca os 30 anos da morte do cantor

Por Leticia Minosso

07/07/2020

Cazuza: 07 de julho de 2020 marca os 30 anos da morte do cantor

Quem nunca cantou Exagerado a plenos pulmões? As músicas de Cazuza passam de geração para geração. Hoje, dia 07 de julho fazem exatos 30 anos que o cantor faleceu.

Referência incontornável do rock brasileiro, Agenor de Miranda Araújo Neto, mais conhecido como Cazuza, foi revelado na banda Barão Vermelho e teve uma brilhante carreira solo, onde misturava influências para veicular suas composições.

Aos 29 anos, o cantor teve o diagnóstico da infecção pelo HIV confirmado. Cazuza foi a primeira personalidade brasileira a expor ter a doença na mídia, em uma entrevista para o jornalista Zeca Camargo. A morte de Cazuza aconteceu aos 32 anos.

A doença influenciou também as composições de Cazuza. Na música ‘Ideologia’, por exemplo, ele diz “meu prazer agora é risco de vida” – fazendo referência à condição de saúde que ele enfrentava.

Em 1989, em meio ao tratamento contra Aids, Cazuza gravou seu último álbum em vida, chamado Burguesia. Porém, o artista deixou mais do que as 20 faixas que iriam compor o projeto.

Após sua morte, as músicas deixadas poe ele foram publicadas em um álbum póstumo denominado ‘Por Aí’, que foi lançado um ano após sua morte. No álbum, foram lançadas 11 músicas inéditas, incluindo um cover de Camila, Camila, da banda Nenhum de Nós, com Sandra de Sá.

A vida do cantor e sua luta contra a Aids foi retratada no filme Cazuza – O Tempo Não Para. O ator Daniel de Oliveira é quem interpreta o artista que entrou para a história da música brasileira e segue lembrado – e ouvido – até hoje.

Leticia Minosso

Leticia Minosso

News